Danganronpa 2: Goodbye Despair

released on Jul 26, 2012

The follow up to Danganronpa: Trigger Happy Havoc. The main character, Hajime Hinata, a new 'Ultimate' student at Hope's Peak Academy. On their first day, Hajime and all of his classmates are taken on a field trip to the mysterious Jabberwock island by their anthropomorphic rabbit teacher, Usami. Usami explains that on this island the students are to have fun together and become friends to gather Hope Fragments. Usami's field trip does not go as planned when Monokuma appears and begins a new Killing Game. Anyone that wants to leave the island must commit a murder and get away with it. If the murderer is successful, he/she is allowed to leave the island, while everyone else is killed. When a murder occurs, the player investigates. After the investigations, a trial commences to determine who the culprit is.


Reviews View More

The best of the Danganronpa games. Has my favorite cast and improves on a lot of the gameplay issues I had with the first game. The setting is more interesting, it has expanded Free Time Events compared to the first game which means the characters are more fleshed out, the mysteries are more complex and the story is more emotional. I still don't think it's perfect, a few characters are dead weight and there's a stretch in the middle that's pretty weak, but I have a lot of fondness for this game.

last good game where story still made some sort of sense

Acredito que Danganronpa 2 tenha tido uma melhora considerável se comparado ao primeiro título, pois aprimorou diversos pontos de seu antecessor, como a jogabilidade, mecânicas, personagens e até mesmo o texto do jogo em si.
Diferente do primeiro jogo, neste os personagens estão em uma ilha, onde foi dito aos mesmos que se trata de uma "viagem escolar", porém o jogo ainda segue com a mesma estrutura de killing game de seu antecessor. Portanto não houveram tantas inovações no quesito mecânicas, prefiro dizer que se tratam de melhorias das antigas. Os trials por exemplo, se mostraram com uma dificuldade mais elevada, não só de gameplay mas também de lógica, encarei isso com uma melhoria, pois isso acentuou a melhora textual que houve nos casos. Introduziram novos minigames (Dessa vez bons) e tentaram dar uma aprimorada nos antigos, factor que deixou as mecânicas dos trials menos bobas, fazendo o jogador levá-las mais a sério.
Creio que a melhora mais notável do primeiro para o segundo jogo, foi o elenco de personagens, que dessa vez, mostraram relações menos superficiais e mais trabalhadas, assim como uma melhor exploração na personalidade dos mesmos, fazendo o carisma do elenco em si, ser bem mais notável do que seu antecessor.
Deixando agora as comparações com o primeiro game de lado para focar mais na análise dos capítulos deste game, cito que no geral, mostraram e mantiveram um alto nível de qualidade. As situações embora inusitadas (E diria até mesmo bizarras), foram muito funcionais na montagem da lógica, nos mostrando conclusões simplesmente mirabolantes. Confesso que graças à este título ser tão fora da realidade, inevitavelmente haverá uma suspensão de descrença por parte do jogador.
São poucos caos os quais eu desgostei, mas cito aqui como fracos os casos 2 e 6, principalmente o 6, que irei comentar mais detalhadamente. O caso 6 é o encerramento do game, que tenta fazer algo mirabolante e mindblowing, assim como a maioria dos casos mostrados. Porém, o caso em pauta infelizmente se mostrou conveniente, sem sentido e até mesmo furado. Não acho que seja um final horripilante, até porque mostrou bons pontos, mas definitivamente não foi de meu agrado.
Nem comentei sobre a parte artística, pois manteve o nível do primeiro game, ou seja, continua estilosíssimo. No geral, este game deu um boost no que havia apresentado anteriormente, sendo uma melhor experiência.

Starts slow but highs are higher than 1st one. Far too long overindulgent ending of course.

I said I wouldn’t forgive them but they copied Among Us twice…

Nagito is one of the most impressive characters in fiction, and I'm awed by this game's consistent brilliance in characterizing him. The rest of the story prefers to focus on how funny it thinks sexual harassment is rather than meaningfully exploring its cast. There are still a few gems of writing buried elsewhere within, but it just feels like the writers don't really know what to do with them (aside from Hiyoko, who is rather consistently great).