Eu nunca pensei que existiria um Remake do primeiro Mario Vs. Donkey Kong já que eu nunca vi muitos motivos para ele receber um Remake, além disso Mario Vs. Donkey Kong não é a série de Spin-offs mais popular mas apesar disso o jogo original de GBA foi um dos primeiros jogos que joguei na minha vida e um dos primeiros que joguei em um emulador (pelo o que eu lembro) e ver um jogo da minha infância recebendo uma versão HD é bem legal. Eu ainda preferia um Donkey Kong novo? Com certeza absoluta mas um Mario Vs. Donkey Kong não é ruim.

A história do jogo continua a mesma idiotice de sempre. O DK está assistindo TV até que ele vê um comercial do Mini Mario, por algum motivo ele gostou tanto do Mini Mario que saiu de casa e foi comprar o Mini Mario mas infelizmente estava esgotado, aí o DK teve a maior ideia de todos os tempos, invadir a fábrica dos brinquedos Mini Mario, enquanto isso o Mario como um bom burguês estava fazendo porra nenhuma até que ele vê o DK fugindo da fábrica e o Mario resolve ir atrás dele, assim começa o jogo.

Diferente de todos os jogos da série, esse aqui é um jogo de plataforma com puzzles, ou seja teremos que resolver quebra-cabeças. Nada de pisar em Goombas ou Koopas, ao invés disso é pegar chaves e caixas de presente e salvar o Mini Mario. O começo é bem simples e fácil mas com o passar dos mundos a dificuldade aumenta gradualmente mas nunca ficando muito injusto (isso vale para o original também).

Uma novidade é que agora é possível escolher a dificuldade do jogo, temos a dificuldade Casual e o Clássico. O modo casual é para quem quer uma experiência mais simples e relaxada, as fases possuem Checkpoints e você pode morrer várias vezes enquanto que o Clássico é uma experiência mais próxima do original.

Cada um dos 8 mundos principais apresentam 8 fases, 6 delas são fases normais e as 2 últimas são do Mini Mario e a batalha com o DK. A fase do Mini Mario consiste em levar um grupo de Mini Mario para uma caixa enquanto coleta três letras para formar a palavra TOY. Já as batalhas do DK são simples mas cumprem o papel porque além de divertidas usam as mecânicas apresentadas do mundo.

Após terminar o jogo, 8 mundos bônus serão liberados dessa vez com "Plus" no nome, dessa vez são apenas 6 fases por mundo, além de serem mais difíceis agora você precisa levar um Mini Mario que está carregando uma chave para terminar a fase, você precisa ter cuidado com o Mini Mario porque ele não pode morrer, ele será a mecânica principal da segunda metade, apesar de serem mais difíceis pelo menos são mais curtas.

Além da "parte 2" existem as fases Expert, são mais parecidas com a primeira parte porém mais difíceis, são 16 níveis Expert no total e para desbloquear todas é necessário ter uma estrela dourada em quase todas as fases mas eu explico melhor isso depois.

Falando dos mundos em si, são eles:
1- Mario Toy Company
2- Donkey Kong Jungle
3- Fire Mountain
4- Merry Mini-Land (Novo)
5- Spooky House
6- Slippery Summet (Novo)
7- Mystic Forest
8- Twilight City

Enquanto que antigamente existia 6 mundos agora foram adicionados mais 2 mundos novos sendo Merry Mini-Land (um parque de diversões) e Slippery Summet (uma montanha de gelo), as fases são tão boas quanto as antigas, elas apresentam novos conceitos e usam coisas de outros jogos como as Caixas de Teleporte do Super Mario 3D World.

Uma grande mudança na gameplay foram os controles, o Mario é propositalmente travado e frágil e os pulos precisam ser mais estratégicos porém algo que tiraram no Remake foi a morte de queda, no original se o Mario caísse de uma altura alta ele morria porém no Remake nada acontece, deixando o jogo mais quebrado pelo fato de facilitar bastante comparado com o original mas ao mesmo tempo eu achei bem divertido porque o Mario é mais "livre".

Outra coisa da gameplay são as caixas de presente, elas são os principais colecionáveis, existem 3 delas em cada fase e para ter a estrela dourada você precisa coletar todas elas, não são obrigatórias mas se quiser jogar as fases Expert precisará coletar quase todas elas. O jeito de obter as estrelas douradas foi alterado porque no original existia um sistema de pontuação, resumindo não era apenas coletar todos os presentes, o tempo que demorou para concluir a fase também importava.

Uma grande mudança foram as Fases Bônus, no original essas fases eram liberadas após você pegar as três caixas de presentes e podiam ser dois tipos de minigames, o primeiro que era trocar a caixa com vida para o DK não esmagar ela enquanto que o segundo era parar uma seta de rolagem em cima do presente que continha vidas. No Remake agora é uma mini fase que precisamos pegar uma chave voadora para abrir um baú, eu pessoalmente prefiro mil vezes a fase bônus do Remake, além disso em todos os mundos o Level Design é diferente!

O modo Time Attack é uma feature nova e muito bem vinda, após completar a campanha principal e o pós game você poderá jogar todas as fases no modo Time Attack, basicamente você tem que completar a fase o mais rápido possível em um tempo pré determinado pelo jogo.

Os gráficos receberam um grande upgrade, eles são BEM melhores que o original e as cutscenes também estão animadas ao invés de serem um monte de imagem estática, no geral o jogo é simples porém bonito. Meu destaque fica pelo Donkey Kong que ele está muito bem feito (uma pena que não foi usado para um jogo dele).

A trilha sonora é muito boa como sempre, gostei que não é um simples remix novo, eles mudaram o estilo da música dessa vez sendo mais Jazz o que mudou bastante comparado com o original, para um jogo mais lento achei que combinou bastante. Minhas músicas favoritas são:
-Title Theme
-Mini-Mario Level
-Mario Toy Company A
-Mario Toy Company Boss
-Bonus Game
-Twilight City B
-The Final Battle
-The Real Final Battle

O jogo é muito bom mas ainda assim eu tenho algumas críticas. A primeira delas e a principal é o preço, ele custa 50$ ou R$250 aqui no Cusil e pelo o que oferece é bem caro... Eu não sou o cara que acha que quanto mais horas de gameplay mais compensa o preço mas Mario Vs. Donkey Kong é curto e apesar de ser bom não é a obra prima do século, ainda mais que é possível jogar o original de GBA em qualquer dispositivo e o tempo de duração não será muito diferente.

O segundo problema é que mesmo 20 anos depois do lançamento do original ainda não tem o modo de criar as próprias fases, ele era pra estar no primeiro Mario Vs. Donkey Kong mas foi cortado e esse modo só foi aparecer nas sequências, eu acho que seria INCRÍVEL se esse modo fosse introduzido para o Remake como se fosse uma espécie de Super Mario Maker, você poderia postar sua fase, jogar a fase dos outros e etc. Pelo menos pra mim só isso me motivaria mais para jogar o jogo.

O terceiro é que apesar dele ser mais bonito que o original ele meio que "perdeu o charme" em algumas ocasiões, por exemplo os diálogos do Mario foram simplificados, a maioria das animações de morte do Mario foram cortadas (sendo que estão nos arquivos do jogo!), a animação exagerada do Mario entrando na porta foi simplificada, a falta do sistema de pontuação deixou o jogo bem mais fácil de fazer o 100% que antes e até mesmo o dano em queda que foi cortado (apesar que esse em específico não acho que foi tão ruim assim), diferente do Remake do Super Mario RPG que tudo é fiel porém melhor, aqui no Mario Vs. Donkey Kong têm algumas coisas que estão melhores e outras que foram pioradas.

E por último é que mesmo o Time Attack sendo divertido não há nenhum propósito em terminar ele, você ganha literalmente nada ao completar todas as fases nesse modo... Acho que podia pelo menos dar uma tela de parabéns ou sei lá, esse modo é bem secundário mesmo.

E assim eu termino a análise de Mario Vs. Donkey Kong, apesar de eu ter criticado algumas coisas eu ainda acho que vale a pena ser jogado se você gosta de plataforma com puzzle ou se é fã do Mario.

OBS: o modo multiplayer é algo novo do Remake mas eu não falei dele porque eu só joguei sozinho.

Hoje (dia 15 de Abril) faz 20 anos que Kirby & The Amazing Mirror foi lançado, não acredito que faz tanto tempo assim, não é apenas um dos meus Kirbys favoritos como o meu Metroidvania favorito, foi o jogo que fez eu entrar nesse gênero. Lembro que foi um dos primeiros jogos que joguei em emulador, Amazing Mirror é um daqueles jogos que eu zero pelo menos uma vez por ano de tão importante que é para mim.

Os gráficos são lindíssimos, eu acho a Pixel Art desse jogo tão mas tão bonita, com certeza é um dos mais bonitos do GBA e envelheceu que nem vinho, ainda sendo muito bonito para os dias de hoje. Cada cenário e Background é bem bonito e distinto e os personagens estão muito bem feitos.

A história é bem simples como qualquer jogo do Kirby, em Dream Land existe o Mundo dos Espelhos que é um mundo onde qualquer desejo refletido no espelho se tornará realidade, porém um dia o espelho estava diferente refletindo apenas coisas negativas, então Meta Knight vai lá ver o que está acontecendo. Enquanto isso o Kirby está fazendo absolutamente nada até que aparece o Dark Meta Knight e corta o Kirby, se dividindo em 4 Kirbys com cores diferentes, depois Meta Knight e Dark Meta Knight se enfrentam porém a versão Edgy ganha do Meta Knight e aprisiona ele no Espelho Dimensional, como se já não bastasse isso o Meta Knight Edgy quebra o espelho, espalhando os pedaços do espelho em 8 áreas do Mundo dos Espelhos e agora os 4 Kirbys terão que salvar a porra toda.

Como eu disse antes esse jogo é um Metroidvania, ou seja é um jogo de plataforma com exploração mas ao contrário dos outros jogos do gênero esse aqui não possui upgrades obrigatórios para desbloquear novas áreas, o Kirby já vem 100% mas não quer dizer que não existem colecionáveis, inclusive tem um que é BEM importante, falo disso depois... O jogo começa em uma espécie de Hub World, no início apenas uma área estará disponível, conforme você vai jogando irá ver que existem botões gigantes, quando apertados eles irão desbloquear um atalho da área que você está no momento no Hub World.

Falando nas áreas, existem 9 delas sendo:
1- Rainbow Route
2- Moonlight Mansion
3- Cabbage Cavern
4- Mustard Mountain
5- Carrot Castle
6- Olive Ocean
7- Peppermint Palace
8- Radish Ruins
9- Candy Constelation

Com a excessão da primeira área, todas as outras possui um chefe, derrotando ele um pedaço do espelho será restaurado. Sendo a primeira tentativa de um Metroidvania eu acho essas áreas bem criativas e únicas, existem lugares que são mansões, palácios de gelo, espaço, ruínas, castelo, florestas e etc.

Você não estará sozinho, diferente de todos os Metroidvania esse jogo possui multiplayer! Quando está no single player os 3 Kirbys serão CPU e sendo bem sincero a inteligência deles é meio questionável, eles não atacam muito, não entendem na hora o que é um Puzzle e podem roubar sua habilidade, você pode encontrar com eles durante a jogatina ou poderá usar o Celular, o celular é uma mecânica que além de permitir que você volte para o Hub World também podem chamar os seus companheiros, é bem útil porque eles sempre irão curar você quando são chamados mas cuidado com a bateria, não desperdice ela.

Apesar da CPU ser ruim ainda é possível jogar com mais 3 amigos mas eu nunca consegui jogar em multiplayer então não vou falar dele :(

Agora sobre o mapa, pause o jogo e depois aperte o botão de Select para ver o mapa, aí você vê... Hã? Uns quadradinhos pequenos e um Kirby no meio do nada? Pois é aí que vem a maior crítica dos jogadores, o mapa é um colecionável e se você tentar acessar o mapa da área antes de pegar o mapa você irá ver uma versão extremamente capada, incompleta e confusa, para pegar o mapa específico terá que explorar a área aí sim que você verá todo o potencial do mapa, completinho e nada confuso só que o jogo não fala em nenhum momento aonde que está o verdadeiro mapa. Eu vou ser bem sincero que nunca notei isso e nunca me incomodou, só percebi depois que meu amigo reclamou disso.

Além do mapa existem outros colecionáveis,  todos eles estão dentro de baús pequenos e grandes. Os baús pequenos podem dar comida, spray para mudar a cor do Kirby, 1-Up, bateria pro celular e músicas pro Sound Player. Já os baús grandes dão 1 barra de vida e o mapa da área, se quiser fazer o 100% terá que pegar todos eles, para saber se pegou tudo bastar ver o mapa e se todos os quadrados estiverem amarelo e brilhando.

Gosto muito do Level Design, ele usa as habilidades de cópia do Kirby para várias ocasiões, desde Puzzles, saídas secretas e blocos específicos. As fases são criativas e não são repetitivas, cada área sempre tem uma mecânica específica, inclusive tem lugares que os 4 Kirbys precisam estar disponíveis. Quando estiver com o mapa completo será uma delícia explorar o Mundo dos Espelhos (e sem também se for fã fanático que nem eu).

Existem algumas partes que você verá um espelho grande com uma estrela, não são o obrigatórias mas é um minigame chamado Goal Game, é útil para pegar bastante vida enquanto desvia de blocos que te deixam paralisado.

As Habilidades de Cópia estão parecidas com o Super Star porque a maioria delas possui um moveset próprio com comandos diferentes, além das clássicas temos algumas novas:
1-Missile: voa como um míssil e destrói blocos cinzas.
2-Cupid: transforma o Kirby em um cupido assim ele voará e irá atirar flechas do amor.
3-Magic: é uma roleta de cartas que terão efeitos diferentes.
4-Mini: o Kirby fica pequeno, ele pode entrar em lugares minúsculos.
5-Master: a versão suprema da espada, resolve todos os puzzles, disponível depois de completar o jogo.
6-Smash: o Kirby com o moveset do Super Smash Bros! (além da habilidade o Master Hand e Crazy Hand estão no jogo)

Há muitos inimigos, Mini Chefes e Chefes, todos eles são bem legais e criativos, principalmente os chefes que são sempre um brilho dos jogos do Kirby. Os Mini Chefes quando são derrotados você poderá sugar eles para pegar o poder dele, já os chefes são diferentes, eles são os "protetores dos pedaços do espelho quebrado". Se você fez o 100% do jogo irá desbloquear o Boss Endurance que é o modo Boss Rush, bastante parecido com a Arena dos outros jogos, a ordem das batalhas são aleatórias com excessão dos últimos e você não poderá recuperar tanta vida.

A trilha sonora é mágica, me dá uma sensação de nostalgia e saudades da época que eu não sabia nada do jogo, não é a melhor trilha sonora da série mas é muito boa. Minhas músicas favoritas são:
-Rainbow Route
-Cabbage Cavern
-Radish Ruins
-Candy Constelation
-Boss Battle
-Dark Meta Knight Battle
-Dark Mind's Second Form

E para finalizar os Minigames, além da campanha principal existem três minigames opcionais para se divertir sozinho ou com os amigos:
1-Speed Eaters: quando a bandeja abrir, terá que sugar a maçã mais rápido o possível!
2-Crackity Hack: destruir uma rocha apertando o botão na hora certa várias vezes.
3-Kirby Wave Ride: uma corrida estilo surf.

Kirby & The Amazing Mirror apesar de ter defeitos como qualquer jogo eu não consigo não amar, como eu disse foi o meu primeiro Metroidvania e gosto muito dele, ele sempre terá um lugar especial no meu coração, meu maior sonho para Kirby é ter uma continuação estilo Metroidvania, para mim esse gênero combina muito com Kirby, pega o Amazing Mirror e expande ele, torço muito que isso aconteça algum dia.

Faz 4 meses que eu quero falar desse jogo mas esperei para uma ocasião especial, hoje faço dois anos de Backloggd, dois anos da minha primeira análise que foi do Super Mario 64, além de ser meu aniversário e de que forma posso comemorar aqui? Falando de um dos Remakes mais especiais e únicos que já vi.

O jogo original é um dos JRPGs mais especiais da minha vida e ter um Remake/Continuação sempre foi um sonho gamer meu mas ao mesmo tempo eu achava que era impossível por conta da Square Enix ter os direitos de muitas coisas do jogo. Na Nintendo Direct de Junho do ano passado tive uma das maiores surpresas e alegrias com vídeo games, o Remake de Super Mario RPG foi anunciado, eu lembro que tive muitas coisas se passando na minha cabeça, infelizmente eu não podia me soltar naquela hora porque eu estava na escola mas dentro de mim era felicidade 2.

Mas afinal de contas o que achei do Remake? Simplesmente perfeito, meu nome ser "Geno123" não é atoa porque eu sempre fui fã do jogo original desde quando eu era pequeno e esse Remake me fez voltar aos tempos nostálgicos das minhas primeiras jogatinas.

A apresentação do jogo é incrível, os gráficos são muito bonitinhos e os cenários receberam um gigantesco upgrade, parecendo muito mais vivo que a versão de Super Nintendo e os personagens estão uma maravilha, é simplesmente do caralho ver Geno, Mallow e todos os outros personagens em HD finalmente temos renders e modelos oficias dele (eu achava que só teríamos fan made pra sempre), o jogo original é belo e o Remake respeita muito bem o legado, basicamente são os gráficos que eu sempre sonhei com o Remake do Super Mario RPG, mantendo a essência do original e ao mesmo tempo atualizando.

Se os gráficos estão incríveis a trilha sonora também e PUTA QUE PARIU que música boa, ela foi composta pela lendária Yoko Shimomura, simplesmente a compositora original também está no Remake e ouvir os novos arranjos das músicas é chorar de alegria, algo muito legal é que algumas músicas foram extendidas na duração, ficando um pouquinho maiores. Eu simplesmente amei TODAS as músicas, posso dizer que gostei mais da nova trilha sonora do que a original mas se você por algum fucking motivo não gostou pode escolher a trilha sonora original.

As minhas músicas favoritas são:
-Beware the Forest Mushrooms (óbvio né)
-Rose Town
-Hello, Happy Kingdom
-And My Name's Booster
-Battling Culex
-Todas as músicas de batalha do Smithy
-The Wishes from the Stars

Agora é possível escolher a dificuldade entre Fácil (chamado de Breeze Mode) ou Normal, é muito bom para uma pessoa que nunca jogou um RPG mas é uma pena que não existe um modo difícil, seria muito foda ter uma versão mais complicada porque pra quem joga a dificuldade Normal ainda é tranquilo especialmente se você já conhece o jogo original.

Algumas coisas também foram mudadas como você poder carregar 9999 moedas ao invés de 999, guardar mais itens no inventário, ter um indicador no mapa e etc, a princípio não parece ser grande coisa mas ajudou demais na qualidade de vida do jogo.

O sistema de batalha está bastante parecido com o original mas teve algumas alterações muito legais como Chain e Action Gauge. Chain é uma recompensa de usar os golpes cronometrados na hora certa assim aumentando seu Chain que consequentemente aumentará seu dano mas o Chain poderá ser quebrado se você fizer alguma burrada e terá que começar tudo de novo. Sobre o Action Gauge é basicamente é uma barra que podemos aumentar se usarmos os golpes cronometrados ou defender na hora, quando a barra é 100% preenchida poderemos usar um Toad Assist (se você está muito no começo do jogo) ou um Triple Move.

Toad Assist invoca um Toad que dará um item aleatório mas o Triple Move é muito foda, você terá que ter 3 membros na equipe e é um super ataque poderoso! A combinação da sua equipe também afetará o Triple Move já que cada trio possui um Triple Move diferente, felizmente eles não são quebrados mas dão uma boa ajuda se você estiver encrencado além do que você não pode usar sem saber direito porque têm chefes que podem resistir sem problemas por causa das resistências. A parte mais legal é ver as pequenas Cutscenes, são muito épicas!

E ainda falando das Cutscenes, elas estão presentes em alguns momentos bem específicos do jogo, como a introdução, o Mallow correndo atrás do Croco e etc. São bem legais e lindas de se ver, uma pena que elas não ocorrem com tanta frequência porque parece um filme de tão bonitas que são.

Outra novidade é o Pós Game, depois de completar o jogo você poderá enfrentar 7 chefes novamente porém eles estão muito mais poderosos e com novas estratégias, Além disso os personagens ganham novas armas, no geral apesar de serem poucas batalhas são bem únicas e diferentes do resto do jogo inteiro, especialmente a verdadeira batalha final contra o Culex 3D que é uma putaria, é difícil mas é épica ao mesmo tempo, com certeza uma das melhores batalhas ou se pá a melhor batalha da franquia Mario.

Existe uma nova feature chamada Lista de Monstros, é o bestiário do jogo com um total de 235 inimigos diferentes, é uma missão secundária bem legal se você quer fazer o 100% do jogo, basta usar o Mallow e o golpe Thought Peek na hora certa para ler a mente e os status dos inimigos. Cuidado que existem inimigos que só aparecem em uma parte extremamente específica e que nunca mais aparecem mas felizmente não é o fim do mundo porque você pode usar as Frog Coins para pegar esses inimigos que você não pegou.

Momento 🤓: alguns nomes de personagens foram trocados pra corrigir as cagadas do Ted Woolsey como o Neosquid que agora se chama Mouth (porque é pra ser só a boca do Exor mas por algum motivo colocaram um nome nada haver) ou para ficar parecido com a versão Japonesa como Frogfucius que virou Frog Sage (o nome japonês). Simplesmente injogável, -0/10.

As novidades mais importantes do Remake eu já falei, não é um Remake que adiciona tanta coisa nova assim, ele é bem fiel, eu estava esperando algo no nível Luigi como jogável mas não aconteceu, tudo bem porque só do Remake existir é um milagre divino.

A minha única crítica é que não tem tradução para Português do Brasil, faz 4 anos que a Nintendo voltou para o Brasil e infelizmente eles estão vacilando muito, é uma tristeza porque os poucos jogos traduzidos para português são muito bem feitos e um RPG que precisamos ler TEXTO seria ideal para esse jogo mas não, simplesmente não traduziram ele, é foda porque quem não sabe de inglês vai ter a experiência muito prejudicado. No mínimo do mínimo todos os jogos teriam que estar traduzidos, é obrigação dos caras e nem isso tão fazendo, por essas e outras coisas que a pirataria na Nintendo é tão forte porque a Nintendo não faz porra nenhuma mas enfim é assunto pra outro dia.

No fim das contas o Super Mario RPG remake é um jogo foda pra caralho, conseguiu superar o original pra mim mas é claro que o jogo de SNES ainda é excelente e recomendo muito ainda. Agora eu me pergunto se com o Remake teremos finalmente uma continuação e talvez o Geno no Smash, espero que sim. Ultimamente estamos recebendo uma boa dose de conteúdo dos RPGs do Mario, como o Super Mario RPG e o Remake do Thousand Year Door e seria incrível se os RPGs do Mario voltassem com força como nos velhos tempos.

Vou ser bem direito ao ponto, Battle for Bikini Bottom Rehydrated é um jogo ruim tecnicamente, não farei uma análise muito séria ou engraçada mesmo sendo primeiro de Abril porque esse jogo conseguiu me deixar bem desapontado por causa dos erros dele, principalmente os bugs que me atrapalharam de fato. Nunca joguei o original então eu não sei se ele é melhor ou pior que o Remake.

Graficamente gostei bastante dele no começo mas com o passar dos mundos eu achei que os gráficos ficaram mais sem graça e a criatividade dos níveis também ficaram piores, em compensação os personagens estão muito bonitinhos e super fiéis ao desenho.

A história é super idiota e isso é incrível, literalmente o Plankton quer dominar o mundo com seu exército de robôs mas ao invés dele puxar a alavanca certa ele puxa especificamente a opção dos robôs não obedecerem, assim o Plankton tomou na jabiraca.

A trilha sonora também é ótima, mais uma vez sendo muito fiel ao desenho e os efeitos sonoros ajudam muito na experiência.

O objetivo principal é coletar as espátulas e as meias do Patrick nas fases, meio parecido com as estrelas do Super Mario 64 só que mais lineares e cuidado com as espátulas que elas podem bugar pra caralho.

Eu tive uma espátula específica que não peguei na minha primeira jogatina, era uma fase que o tempo acabava mas quando eu ia pegar no último momento ela simplesmente sumiu pra sempre e nunca mais consegui pegar ela de novo, pra piorar eu tive que fazer tudo de novo em outro save e isso me deixou bem frustado com o jogo porque essa espátula me impediu de eu fazer 100%, literalmente fiquei com 99% só por causa dessa porra.

Outro bug que deu medo 3 & Knuckles em mim foi da habilidade Bolha Torpedo, para desbloquear é simples é só avançar no jogo que uma hora ou outra você desbloqueia ela porém era pra aparecer um diálogo do Amigo Bolha explicando a habilidade e na minha primeira jogatina não apareceu, por sorte a habilidade é liberada independente do diálogo mas eu achei que tinha perdido a habilidade pra sempre porque não tinha ocorrido a conversa e o jogo não indica nada que você tem a Bolha Torpedo, 2 mini infartos em um jogo do Bob Esponja kkkkkk nunca pensei que diria isso.

Eu não tive tantos bugs mas os que ocorreram comigo foram o suficiente pra eu ter uma opinião bem negativa, eu estava na maior expectativa do mundo com o jogo quando eu soube que ele entrou no Gamepass e no fim recebi um jogo que claramente foi rushado.

O bagulho lançou faz 4 anos e mesmo com os vários patchs de correção de bugs os caras ainda não consertaram todos e os piores ainda estão presentes kkkkkkkk que vergonha.

Eu gostei bastante do jogo mas eu NÃO consigo ignorar esses problemas, principalmente os bugs que me atrapalharam, eu tive que fazer tudo de novo por causa de uma mísera espátula, minhas lembranças com o jogo sempre serão infelizmente sobre esses problemas.

Infelizmente a franquia Bob Esponja não está nos seus dias de glória, Spin-offs de personagens que ninguém pediu e ninguém se importa, episódios fraquíssimos de roteiro, animação super esticada e estranha, jogo rushado e etc.

Filmes que são puro Cash Grab, ou seja o único intuito é ganhar dinheiro fácil e não se importando com a qualidade e confirmaram mais filmes.

Eu não acho que Bob Esponja tem um bom futuro, só acho que a Nicklodeon vai tentar sugar o máximo de dinheiro que conseguir e sinceramente é bem triste isso eu só queria que Bob Esponja acabasse mesmo, acho um final muito mais digno do que virar uma marca sem graça.

Eu não nego que a minha idade também não ajuda muito nisso mas também eu sei que o desenho de fato ficou pior.

Pontos positivos:

-Trilha sonora.
-Muitas referências ao desenho.
-Controles bons.
-Divertido.
-Duração e dificuldade na medida certa, não muito longo e relativamente tranquilo e isso casou muito bem para um jogo do Bob Esponja.

Pontos negativos:

-Muitos bugs bobos.
-Bug que prejudica sua porcentagem, o pior defeito.
-Uma área bem específica que trocar personagem vai ser muito irritante.
-Bosses bem sem graça.
-Os gráficos podiam ser melhores principalmente nas últimas áreas.
-Apenas o Bob Esponja pode fazer Wall Jump o que eu achei bem desnecessário.
-Auto Save pode te foder dependendo da situação ou bug.
-Modo Multiplayer que ninguém se importa.
-Depois de 4 anos o jogo ainda pode ser bugado pra caramba.

Eu não sou Otaku, assisti pouquíssimos animes e li pouquíssimos mangás mas eu com certeza sou fã das obras do Akira Toriyama, especialmente Dragon Ball que é uma das minhas obras de todos os tempos, essa franquia me marcou bastante por diversos motivos, desde o humor de Dragon Ball Clássico até as batalhas mais divertidas de assistir de seus sucessores, quanto aos jogos que Toriyama participou o único que eu realmente joguei foi Chrono Trigger que é um excelente jogo mas eu irei correr atrás de jogar os outros jogos que ele participou.

Infelizmente o mundo teve uma péssima notícia, no dia 7 de Março foi confirmado o falecimento do Akira, poucas mortes de famosos me afetaram e a dele foi uma dessas, no momento eu estava assistindo a saga do Torneio do Poder pela milésima vez no YouTube até que vi um vídeo de um gringo falando do Akira ter falecido, no começo eu estava achando que era uma piada de mal gosto ou qualquer coisa do tipo mas aí fui pesquisando e mais notícias e vídeos iam aparecendo pra comentar sobre o triste ocorrido. O motivo de eu ter ficado triste foi porque Akira Toriyama não era só um mangaká, ele é uma das pessoas mais influentes da Cultura Pop, apenas uma pessoa conseguiu influenciar tantas obras como Naruto, One Piece e todos os Battle Shounen que as pessoas gostam tanto, até mesmo franquias de jogos que eu adoro tanto como Mario e Sonic tem suas influências, ou seja até no meu Hobby favorito que é jogar vídeo game o Akira esteve presente nas minhas franquias favoritas.

Eu conheci Dragon Ball quando eu era bem pequeno graças ao maravilhoso Dragon Ball Z: Budokai Tenkaichi 3 do Wii, esse jogo era extremamente diferente de tudo o que eu havia jogado no Wii e DS, um jogo de luta 3D com um monte de personagens jogáveis, esse jogo me encantou de um jeito que nunca esqueci, a trilha sonora também é outra coisa linda, a primeira vez que eu ouvi uma música cantada para um jogo de vídeo game, a música de menu chamada The Meteor é extremamente icônica e marcante, a gameplay também era espetacular, frenética e muito divertida por causa dos controles de movimento, por fim os personagens, a primeira vez que conheci a turma do Goku! Meu personagem favorito da franquia é o Freeza.

Foi graças ao Budokai Tenkaichi 3 que conheci uma das minhas franquias favoritas de todos os tempos, é uma pena o que aconteceu com o mestre Akira mas seu legado será eterno, eu prometo que irei falar mais de Dragon Ball no site para homenagear o Akira e comemorar os 40 anos de Dragon Ball.

Muito obrigado Akira Toriyama.

No dia 21 de fevereiro desse ano houve uma Nintendo Direct Partner Showcase, uma Direct não tradicional focada majoritariamente em jogos Third Party que ninguém se importa, assisti a Direct junto com meu amigo, achamos ela ok mas ele teve a ideia da gente ver a Direct japonesa, tudo estava normal até que Mother 3 foi anunciado para o Nintendo Switch Online do Japão e minha decepção foi imensa, com certeza a vez que mais fiquei decepcionado com um vídeo game na minha vida. Era a chance perfeita da Nintendo trazer pro ocidente mas não foi dessa vez (de novo) e acho que nunca veremos esse jogo oficialmente traduzido, graças a esse acontecimento eu planejei em zerar todos os 3 jogos da franquia Mother de novo só por causa da minha decepção.

Agora falando do jogo mesmo, Mother 1 ou Earthbound Beginnings é o primeiro jogo dessa maravilhosa trilogia feita pelo Shigesato Itoi, Mother 1 de fato foi o primeiro jogo dele pois o Itoi não é um desenvolvedor de jogos, mas será que mesmo sendo o primeiro jogo dele ainda é bom mesmo tendo mais de 30 anos? Bem... Eu diria que sim e não.

Começando pela História, ela é simples mas muito envolvente, a introdução do jogo explica que o casal George e Maria desapareceram misteriosamente de sua pequena cidade. Dois anos depois George volta de uma maneira muito misteriosa e começa um estudo sobre os poderes psíquicos, Maria também desapareceu mas não se sabe de seu paradeiro. Após a introdução o jogo começa de fato, 80 anos se passam e controlamos Ninten e sua casa é atacada por objetos mal assombrados, após isso Ninten começará sua jornada para descobrir o que está acontecendo com a America.

Isso é só o começo do jogo, é claro que o jogador irá descobrir o que está acontecendo de fato mas o jeito que ela é contada é bem legal, os personagens assim como a história são simples mas carismáticos, cada personagem tem diálogos únicos e esquisitos, o jogo também possui temas como relação de mãe e filho, amizade e etc, sim o jogo é bem maluco mas TUDO funciona tão bem.

As músicas são SENSACIONAIS, é a minha trilha sonora favorita do NES/Famicom, o jogo tem poucas músicas mas elas conseguem ser bem marcantes e especiais, eu não consigo explicar mas todas elas me deixam com uma sensação feliz sabe? Eu diria que é uma trilha sonora que exala sentimentos de emoção, felicidade e nostalgia.

Minhas músicas favoritas são:
-Mother Earth
-Pollyana (I Believe in You)
-Bein' Friends
-Eight Melodies
-Yucca Desert
-The End

Os gráficos são até que ok para um jogo de Famicom mas não acho que envelheceu tão bem assim, os sprites dos personagens são bem bonitinhos (pelo menos pra mim) é possível perceber que os personagens tem uma estética parecida com o desenho do Snoopy (Dog 🍁🚬) e é bem legal na verdade. A parte que é possível ver que envelheceu mal foi definitivamente os cenários, eles são bem parecidos e a cor verde é bem predominante, tão predominante que é a cor do chão das cidades, floresta e dos locais que você entra tipo casas e prédios.

O sistema de batalha é o tradicional JRPG, batalha de turno, eu não tenho nada pra reclamar do sistema em si, eu diria que o diferencial dele para os outros RPGs é o PSI, são poderes psíquicos que iremos usar na jornada inteira, existem vários tipos como por exemplo:

-PSI ofensivos como PK Fire, PK Thunder, PK Freeze e etc.

-PSI defensivos como PSI Shield, PSI-Magnet.

-PSI de suporte para recuperar vida ou tirar status negativos como LifeUp e Healing.

-PSI que apenas usamos fora das batalhas como Telepathy e Teleport.

A maioria dos PSI tem versões mais poderosas tipo PK Freeze Alpha e Beta mas eles gastam mais PP.

Infelizmente eu já falei de todas coisas boas do jogo, Earthbound Beginnings sofreu com a idade, um monte de coisa ficou bem datada.

Começando pela progressão do jogo, é muito zoada, eu só não sofri porque eu já conheço o jogo faz tempo mas para as pessoas que nunca jogaram eu recomendo fortemente um detonado, o jogo não te fala as coisas direito e o mapa mais atrapalha do que ajuda, infelizmente o jogo é bastante confuso.

Assim como todos os JRPGs da época, você batalha com os inimigos através dos encontros aleatórios, simplesmente só andando você já encontra um inimigo e nesse jogo é um saco, toda hora aparece um encontro aleatório, teve vezes que depois de eu terminar uma batalha só eu andar 2 passos e outra batalha começava e tinha vezes que eu andava pra caramba e nada acontecia e olha que eu estava nas áreas que era pra ter algum inimigo, é bem inconsistente.

Outra coisa importante é a sua Party, no caso de Earthbound Beginnings temos 4 personagens principais sendo eles Ninten, Lloyd, Ana e Teddy todos eles são legais mas são bem desequilibrados, Lloyd e Ana entram na equipe no LEVEL 1, você terá que farmar se não eles vão morrer com muita facilidade (e já morrem facilmente mesmo com Level bom) e eles não são tão fortes como o Ninten no quesito força e defesa, Teddy é bem forte e rápido mas ele é um parceiro temporário. e ele substitui Lloyd por um tempo muito curto, seria melhor se pudéssemos usar os 4 personagens de uma vez, ia facilitar o jogo bastante.

Apesar do sistema de batalha não ser ruim, os inimigos são um problema, na maioria das vezes os inimigos não são tão injustos, porém na reta final eles ficam difíceis pra porra, eu juro que o chefe final não é nada comparado aos inimigos comuns, eles são muito mais perigosos. Pior que literalmente a equipe de desenvolvimento não conseguiu testar a última área, então se você estiver em Mt. Itoi tenha cuidado.

A falta de chefes também incomoda, 97% dos inimigos são apenas batalhas normais e uns 3% são chefes e só o último chefe é de fato uma batalha porque os outros são feitos para você ganhar, o que é o caso dos robôs da série R7037, eles não são ameaça nenhuma você só ganha de graça.

Farmar é essencial, felizmente ou infelizmente você precisa farmar para progredir no jogo senão as coisas vão ficar muito mais difíceis, eu pessoalmente gosto de farmar Level mas eu sei que muita gente detesta ficar matando inimigo toda hora.

E por último as 8 Melodias, elas são pedaços de uma canção que reunidas formarão uma única música, elas são essenciais na história e na gameplay já que o final do jogo depende delas, elas estão espalhadas em toda a America e não é uma tarefa fácil, o jogo tenta dar umas dicas mas não são muito úteis, algumas melodias são fáceis de achar mas outras são bem específicas e aleatórias como em Yucca Desert que você precisa encontrar um cacto diferente de todos os outros porque ele tem a melodia mas ele tá na puta que pariu.

Apesar de ter muitos problemas que não podem ser ignorados eu ainda gosto muito do Mother 1, é um jogo bem velho mas tem seu charme e personalidade, os sucessores são mil vezes melhores mas ainda vale a pena jogar se você é fã da série ou quer se tornar um fã.

Esse é o único jogo que merece um remake na minha opinião, consertar todos esses problemas de progressão e dificuldade deixaria o jogo MUITO melhor.


"Sonhos são reais se você acreditar", essa frase nunca fez tanto sentido na minha vida.

Shadow the Hedgehog é um dos maiores clássicos de todas as mídias do nosso entretenimento, aquele jogo é sensacional, gráficos incríveis, música perfeita e é MUITO Edgy. Porém, o maior fator do sucesso multiversal do jogo é o Black Doom, considerado por todas as 3 bilhões de pessoas como o maior vilão da história, superando até mesmo pessoas de peso tipo a Thaís Carla.

Ontem foi anunciado o Sonic X Shadow: Generations, um Remaster do grandioso Sonic Generations, no começo eu estava achando que seria só um remaster porco, até que apareceu o novo modo do Shadow... Depois de 19 anos ele voltou... O Lord Black Doom.

Não acredito que o Black Doom voltou... Foi o momento que mais ri na história dos Vídeo Games, foi muito engraçado esse filho da puta voltar depois de 19 anos.

Na minha cabeça era IMPOSSÍVEL esse corno aparecer em algum jogo da franquia depois de tanto tempo de ausência (por motivos de que ele é um personagem ruim) mas como diria o Deus Diggo: NADA É IMPOSSÍVEL!

Nunca fiquei tão feliz de ver o nosso querido Black Doom de volta!

Esse foi o meu "especial" de 500 Likes das minhas reviews de qualidade questionável do Backloggd.

ATENÇÃO: se alguém estiver vendo isso no futuro, saiba que a versão que joguei foi do Early Acess.

Joguei 1 hora e 13 minutos do Palworld e não gostei do jogo, eu estava esperando que fosse ser apenas um Pokémon com Armas mas na verdade o jogo é um Minecraft de Pokémon com Armas, falo isso porque o jogo é um Survival e eu não sabia disso, por isso que minha decepção foi gigante, eu não gosto de Jogos Survival porque acho muito chatos e "sem objetivo".

Uma coisa que eu definitivamente não esperava é que o jogo tivesse uma criação de Avatar e fazer o Avatar é até que divertido, a parte que mais gostei foi pintar o meu boneco de verde. Ao contrário de Pokémon, esse jogo tem voz pro seu personagem!

Eu achei os Pals bem bonitinhos, os Pals que mais gostei foram a ovelha e a galinha mas eu vi um Pal que parece um dragão e achei bem legal.

Ainda falando deles, o jeito que a gente captura eles é exatamente igual ao Legends Arceus, foi uma coisa que gostei.

O principal diferencial dele para outros "Pokémon Like" é definitivamente as armas, eu joguei só com as armas mais básicas e bater nos Pals é bem estranho e engraçado mas além de machucar o Pal usamos as armas para quebrar rochas e árvores para Craftar os itens.

Eu não gostei dos gráficos, achei os cenários estranhos e não combinam com os personagens. Os itens estavam com texturas bem borradas, não sei se a intenção era pra imitar Pokémon mas se sim parabéns.

Não tem muito o que falar do jogo porque eu só joguei um pouco e achei bem entediante, provavelmente os meus problemas com o jogo são pelo fato de ser um Survival e não pelo o jogo em si ser uma merda completa.

Ah como eu amo o Natal, aquela época que ganhamos presentes e que as pessoas fingem gostar da família, eu joguei e zerei todos os Natais, inclusive eu tenho amigos que são Natal mas hoje vamos falar do melhor jogo de todos os tempos, Santa Claus Saves the Earth, considerado por muitos como o melhor jogo de tiro em sexta pessoa do Velho Leste. De acordo com o próprio Backloggd esse jogo saiu um dia antes do Halloween o que faz bastante sentido na minha opinião e essa maravilha lançou no mesmo ano de Kingdom Hearts, Metroid Prime e Shrek Super Party que sinceramente são jogos todos horrorosos que só são uma invenção da mídia pra vender Camisinha Sabor Lagosta.

O diretor do jogo foi o famosíssimo Carlinhos Asteca, conhecido pelos icônicos jogos da Peppa Pig, Hotel Mario e Fuga das Galinhas.EXE. Ele e a sua equipe conseguiram fazer um trabalho tão bem feito que deixa Vingadores Ultimato no chinelo (o que não é muito difícil kkkkkkkkkkkk).

Começando pelo enredo, a história se passa no ano de 1500, uma fada madrinha chamada Nilam quer foder o Natal e prende o Papai Noel no mundo mais perigoso que alguém poderia imaginar, o mundo das drog... League of Legends, agora o Papai Noel precisa escapar dessa prisão e salvar o Natal, de começo você pode falar: "nossa mas que história bosta, até o enredo do Subway Surfers é melhor", você que já disse isso em algum momento da sua vida você é um merda! A história é BEM mais complexa do que isso.

Como em muitas obras do Carlinhos Asteca, esse jogo também critica o Capitalismo, pra começar o próprio Papai Noel, ele é vermelho logo é comunista e a fada super criativa é da cor azul sendo assim capitalista, ou seja, a antiga guerra Comunismo Vs. Capitalismo está presente no jogo, a proposta do Natal faz parte do Comunismo, pois o Papai Noel entrega presentes de graça para as pessoas e no jogo a  Fada quer privatizar o Natal, ou seja Bye Bye presentes de graça, resumindo nós temos que matar a burguesia filha da puta.

Outra coisa que prova que a obra é comunista são as fases:

-A primeira fase tem literalmente uma imagem de vários Cheetos, se você é burro e não percebeu, o Papai Noel vai destruir o sistema entrando no sistema, a mesma tática do Paulo Kogos nas eleições do ano passado que infelizmente não deu certo.

-A segunda fase tem a imagem de uma árvore congelada, o que significa que o sistema capitalista quer fazer aquele bom e velho aquecimento global pra derreter tudo e destruir a camada de ozônio.

-A terceira fase tem a imagem de um motor de carro soltando fogo, mais uma vez é o jogo mostrando que o Capitalismo tá cagando pro planeta e quer o aquecimento global foda se mesmo.

Eu não vou ficar aqui falando das outras fases porque essas três já mostram o meu ponto.

Ainda falando das fases, o Level Design é Genial! Ele é uma mistura de Metroidvania + Paciência + Street Fighter + qualquer FPS merda, porque você tem que ter uma paciência do caralho pra encontrar essas chaves filhas da puta além do que para matar os inimigos você pode usar seu saco pra bater neles ou atirar bola de neve, todas as fases são extremamente diferentes, nenhuma fase é repetitiva e genérica.

A trilha sonora é de cair a bunda do cu, que trilha sonora boa cara, ela foi composta pelo famoso compositor Vinheteiro, ele é o meu segundo compositor de games favorito, apenas perdendo pra todos os outros. As minhas músicas favoritas são:
-Five Nights at Freddy's Song (The Living Tombstone)
-Xamuel is Love, Xamuel is Life.
-Eu adoro pintar o cabelo (do Bluezao)
-Rap da Akatsuki O Inimigo Agora é o Mesmo.
-Almost Dead do jogo do Shadow (essa daí é bem madura).

Os gráficos também são bons, mas envelheceram por conta que esse jogo foi lançado no PlayStation 1 e no GBA, mas ainda assim é mais bonito que GTA 6 e Detetive Pikachu, mas infelizmente as penas do Papai Noel não são tão realistas assim e as escamas da fada parecem mais um borrão do que uma textura.

Eu também queria falar dos inimigos, eles são os inimigos mais criativos dos games, temos o Pássaro do Twitter, o Javali do Clash of Clans, um fã de Pokémon (Homem das Cavernas) e uma onça pintuda. Os Bosses também são bem diferentes como por exemplo um Bobo da Corte, um traficante e a Fada Nada Genérica, como eu disse é muita variedade.

Os problemas do jogo são tão ruins quanto o Mundial do Palmeiras, não tem.

Resumindo, esse jogo é uma Obra Prima! É um dos melhores jogos de todos os tempos, então é isso e feliz natal, pega no meu pa...



Hoje é o aniversário de 5 anos do Super Smash Bros. Ultimate, parabéns pro meu jogo favorito de todos os tempos!

Não vou fazer uma Review desse jogo porque todo mundo já comentou o que eu queria falar. Esse jogo é incrível, finalmente um verdadeiro Mario 2D excelente depois de tantos anos e olha que eu adoro New Super Mario Bros.

Gráficos incríveis, Level Design super criativo, novidades como as Flores Fenomenais e as Insígnias, um monte de inimigos novos, Power Ups memoráveis, trilha sonora marcante e uma boa duração nem muito longo e nem muito curto.

Minhas únicas críticas são:

1-Todos os chefes exceto o último são fraquinhos, não são ruins mas eu esperava mais.

2-Só existe um Save File pra cada conta, para jogar outro Save você precisa fazer outra conta no seu Switch.

Ainda é difícil pra mim dizer se ele é o melhor Mario 2D de todos porque eu tenho muito carinho com o Super Mario Bros. 3 (e olha que eu zerei o Wonder três vezes 100%).

Enfim, estou super satisfeito com Mario, é engraçado dizer que esse ano está muito mais comemorativo (e melhor) do que os 35 anos lá em 2020 que só foi jogo antigo e port.

No começo desse ano eu tinha falado que a Wave 3 do Booster Course Pass era a melhor Wave da DLC, agora que temos a Wave 4,5 e 6 as coisas mudaram, apesar das Waves 4 e 5 no geral serem muito boas ainda as pistas da Wave 3 eram as melhores na minha opinião mas a Wave 6 é a melhor de todas.

A partir da Wave 4 personagens de jogos anteriores retornaram como a Birdo e na Wave 5 o Kamek, Wiggler e Petey Piranha, agora temos Diddy Kong, Funky Kong, Pauline e a Peachette?????? Tirando a Peachette, todos os três personagens foram muito bem vindos, principalmente o lendário Funky Kong do Mario Kart Wii que é o melhor personagem daquele jogo, apesar dele não ser o Top do Metagame no Mario Kart 8 Deluxe ainda assim é um personagem muito bom de usar e é o meu novo Main.

Além disso foram adicionados um montão de roupas para os Mii que estavam no Tour, a parte mais legal é que cada roupa tem uma animação única!

As pistas são todas muito legais, todas elas estão muito bonitas e detalhadas, de longe são as mais parecidas com o jogo base. Eu gostei de TODAS as pistas, aqui está meu ranking:

🥇- SNES Bowser Castle 3
🥈- Wii Rainbow Road
🥉- GCN DK Mountain
4- Tour Piranha Plant Cove
5- Tour Madrid Drive
6- Wii Daisy Circuit
7- 3DS Rosalina Ice's World
8- Tour Rome Avanti

A trilha sonora está excelente, os remixes estão muito bons, por exemplo Wii Daisy Circuit e Tour Madrid Drive só melhoraram o que já era bom.

Ainda na trilha sonora, no menu existe a opção de Jukebox, assim você vai escutar a música de todas as pistas do jogo incluindo as pistas do Modo Batalha.

Uma coisa que eu não esperava é que se você completar todas as Copas da DLC com três estrelas você vai liberar novos créditos! E a melhor coisa dos créditos é que a música é um monte de remix das pistas do Tour misturado com a música dos créditos do Super Mario Kart com uma tela de agradecimento com todos os personagens do jogo.

Agora que o Booster Course Pass acabou posso dizer que Mario Kart 8 Deluxe é o MELHOR Mario Kart de todos os tempos, tanto objetivamente quanto subjetivamente, agora não resta mais dúvidas, estou super empolgado pelo próximo Mario Kart!


Eu sempre fui 8 ou 80 nos Metroidvania, jogos que eu gosto como a franquia Metroid, Kirby & the Amazing Mirror e Wario Land 3 por exemplo são alguns dos melhores jogos que joguei na minha vida mas por outro lado jogos como Ori e Hollow Knight não cheiram e nem fedem. Joguei 8 horas de Hollow Knight no Xbox One e achei bacaninha mas nada demais, eu tava doente nesse dia então talvez se eu jogar novamente eu queime minha web língua.

Mas dessa vez foi diferente, zerei Castlevania: Symphony of the Night semana passada, eu estava querendo jogar alguma coisa diferente e foi aí que o @Davi_fg me recomendou o remake do Rondo of Blood do PSP chamado Dracula X Chronicles, já que ele tinha dito que o Port do Symphony era um desbloqueável e o remake em si era muito bom. Zerei Dracula X Chronicles e achei bem legal mas quando joguei o SOTN foi aí que as coisas mudaram.

Todos sabemos que Castlevania: Symphony of the Night é considerado um clássico dos Metroidvania, tão importante que ajudou no nome do gênero e depois de eu ter concluído o jogo finalmente entendi, é um jogo magnífico!

A história é simples mas achei bem interessante que o começo do jogo é justamente o final do Rondo of Blood, quando joguei o remake do PSP eu estava achando que só tinham colocado o SOTN no jogo porque todo mundo ama o jogo e não porque a história do SOTN é a continuação do Rondo of Blood.

Os gráficos são SUPER lindos, que pixel art bonita, o sprite do Alucard andando é muito foda e os inimigos são bem detalhados. O castelo normal e o invertido são muito bonitos, cada área tem um charme que tornam elas únicas, o Coliseu e a Biblioteca foram os lugares que mais achei bonito. Até as salas de Save são incríveis e super detalhadas, a animação de Save é muito bonita.

Curiosidade: sabia que Alucard é Dracula ao contrário? 😱😱😱😱😱😱😱😱😱😱

O Level Design é incrível, cada parte do castelo é única e marcante, o mapa tem um ótimo tamanho, não achei tão grande assim mas também não é minúsculo ou linear. O castelo invertido no geral ficou muito bom mas teve alguns momentos que achei que atrapalharam um pouco a aventura, principalmente aquelas armadilhas da Black Marble Gallery que atacam o jogador de surpresa, o problema pra mim foi que essa armadilha aparece com muita frequência nesse lugar.

A variedade de inimigos e chefes também é enorme, em ambos os castelos a gente tem bastante tipo de inimigo diferente mas os chefes foram a parte mais marcante na minha opinião, principalmente o Legion e o Galamoth, a mecânica do Legion é simples, é basicamente um Boss que tem uma casca envolta dele e temos que tirar essa casca para destruir o núcleo mas do jeito que está no jogo achei bem medonho mas bem legal, o bicho é bastante detalhado e ver aqueles corpos caindo dele é bem nojento e o cenário de fundo é bonito demais, um monte de caveira super detalhada. Já o Galamoth ele me marcou porque foi de longe o chefe mais difícil do jogo, nenhum chefe se compara ao Galamoth, ele tem uma quantidade absurda de vida e seus golpes são chatos de desviar mas pelo menos é um Boss opcional, eu também gostei do design dele e depois eu descobri que ele é o vilão do Kid Dracula.

O Boss Final achei bem fácil pra falar a verdade, lutamos contra o Dracula depois de pegar as 5 partes dele (aparentemente até isso é uma referência ao Castlevania II do NES), apesar do design foda a batalha foi tranquila.

A dificuldade do jogo é relativamente fácil, pra mim as partes mais difíceis foram o começo do jogo e do castelo invertido, além da batalha do Galamoth claro. Sobre o castelo invertido eu achei a Caverna a pior área do jogo, tem uma quantidade muito grande de inimigos e aquela Blue Venus Weed é o pior inimigo normal do jogo.

A trilha sonora é muito boa, minha música favorita por enquanto é Dracula's Castle.

Castlevania: Symphony of the Night foi um dos melhores Metroidvania que eu joguei, é um jogo bom pra caralho e olha que esse é apenas o meu terceiro Castlevania no geral! Não acho que minha "análise" pra esse jogo foi boa mas eu queria falar dele, agora eu estou jogando o Aria of Sorrow e por enquanto estou achando no mesmo nível do SOTN. Então é isso! Essa foi a minha análise para o Halloween, FALOUUUUUUUU!

Hoje (21 de Outubro) é um dia muito especial pra mim, minha principal conta do KoGaMa chamada DANIEL_ROCHA (agora vocês sabem o meu nome) faz 10 anos de existência, para comemorar esse acontecimento eu estou fazendo essa "Review" e atualizando uns mapas antigos mas isso eu falo depois...

KoGaMa é uma espécie de Roblox, ou seja é aquele jogo que você cria jogos mas é bem mais simples do que o Roblox, esses jogos são chamados de "mapas" e eles não possuem um gênero específico, podem ser mapas de plataforma, corrida, bate papo e etc, as possibilidades são infinitas.

Conheci esse jogo em 2013, eu e meu primo estávamos no lendário Click Jogos procurando jogos Flash do Mario até que de repente tinha uma propaganda de um jogo chamado KoGaMa, quando entramos no site lembro que o primeiro mapa que jogamos era um de Policia Vs. Ladrão e depois disso nós começamos a jogar o KoGaMa com frequência, uma das primeiras coisas que fiz foi modelos de personagens, esses modelos são bonecos ou cenários que você pode vender ou comprar de outras pessoas e no meu caso eu fazia verdadeiras obras de arte, quase todos os modelos que eu fazia sempre aparecia alguém me xingando porque as coisas que eu fazia eram uma bosta (e na época eu me achando o máximo).

Os modelos que eu fazia geralmente eram de Pokémon, Dragon Ball e Mario, esses modelos são tão bons que se você olhasse um personagem com rabo só que de costas parecia que ele tinha um órgão genital masculino bem Family Friend e na época eu não tinha essa malícia de perceber essas coisas e hoje em dia essas atrocidades são muito engraçadas parecendo Shitpost.

Os mapas que eu fazia na maioria das vezes era uma tremenda bosta, os mapas eram feios, sem sentido e com vários erros de português, meu primeiro mapa foi "dragon ball z complete os filmes" que era uma espécie de Boss Rush, você só precisava derrotar todos os vilões dos filmes de Dragon Ball Z mas obviamente que é todo cagado, como eu não sabia modelar os personagens de Dragon Ball Z você simplesmente só enfrentava torres genéricas e o """"""""""Level Design"""""""""" é sem dúvidas alguma coisa...

No total eu tive uns 20 mapas mas apenas 3 se destacam:

1- Uma Aventura no Reino dos Cogumelos: esse eu fiz com o meu primo e era um mapa baseado no Mario, era bem fiel aos jogos do Mario e tem uma boa quantidade de fases e modos extras e foi o mapa que mais fez sucesso na minha carreira profissional.

2- Super Mario Crossover: então kkkkkkkk tá escrito Super Mario Crossover mas não tinha quase nada do Mario kkkkkkk pra falar a real nem tinha o Mario só o Bowser mesmo e o resto... Homem Aranha, Castle Crashers, Pokémon, Battleblock Theater, FNAF, Plants Vs. Zombies, SLENDER MAN e etc, é hilário que essa merda de mapa deu muito certo, ninguém reclamava da falta de Super Mario, o mapa em si é uma bosta, tem noção que tem o fucking Slender Man mas o Mario nem aparece ? Eu poderia dizer que tem MUITO mais haver com Homem Aranha do que Mario, eu não sei quantas unidades de maconha eu usei pra fazer esse mapa, de longe foi a época que eu mais tava chapado na minha vida inteira.

3- Super Luigi Bros: dessa vez é um mapa do Luigi e advinha só é igual o Super Mario Crossover 😱😱😱😱, ou seja nada haver com a franquia Mario mas pelo menos o Luigi estava nessa porra kkkkkkk e além disso o Kirby também aparecia, ano passado eu dei uma bela atualizada no mapa pra deixar ele menos merda mas ainda assim é um caos.

Esses são os que mais me marcaram, 80% dos meus mapas eram puro cocô e só alguns que eram bons e não eram tão engraçados como esses dois últimos, hoje de manhã eu atualizei os dois primeiros mapas pra terminar com eles e óbvio que eu não fiz sério e sim só um monte de piada sem sentido, eu literalmente estraguei o Uma Aventura no Reino dos Cogumelos.

Além dos modelos e mapas também existem Avatares que é o boneco que você controla, na época por algum motivo eu usava um Avatar do Venom (que eu mesmo fiz) e achava muito foda, hoje em dia é bem tosquinho mas nada muito de errado, também dava pra comprar e vender Avatar.

As amizades também foram uma novidade pra mim, foi a primeira vez que fiz web amigos e era bem legal mas tinha um arrombado chamado Idiota Borra Calça que sempre me chamava pra eu construir os mapas com ele, esse cara era irritante demais.

Você podia fazer uma descrição pro seu perfil e o meu era assim:

"Jogos Favoritos:Plants Vs Zombies 2,Five Nights at Freddy's,Mario,Kirby,Kogama,Team fortress 2,Dragon Ball Budokai Tenkaichi 3 e Dragon Ball Xenoverse."

Plants Vs Zombies 2 e FNAF nos favoritos é complicado kkkkkkkkkkkk mas o restante não mudou muito, eu tiraria o TF2 porque eu não jogo mais e o XenoVerse porque lembro que era o Dragon Ball mais recente na época, não existia o 2 e tiraria o KoGaMa óbvio.

Eu parei de jogar "seriamente" em 2016, não lembro o motivo mas só voltei com a minha conta no ano passado porque eu aparentemente perdi a senha e consegui recuperar ela trocando a senha.

É triste o que o KoGaMa se tornou, um cemitério virtual, durante esse meu tempo ausente muita coisa aconteceu tipo uma porrada de hacker ferrando com o jogo, saída de ADMs e a falta de novidades mas ainda assim eu tenho muita nostalgia com esse jogo.



Faz pouco tempo que a atualização gratuita chamada The Final Horizon foi lançada, o objetivo dela é consertar o final do jogo base porque muitas pessoas ficaram decepcionadas pelo final "anticlimático", o resultado disso foi meio misto porque eu vi que muita gente gostou e ao mesmo tempo muita gente que não gostou.

Essa atualização não apaga o final do jogo base, basicamente é um final alternativo.

A maior novidade é que agora podemos jogar com a Amy, Knuckles e Tails, faz MUITO tempo que os personagens "secundários" não são mais jogáveis em um jogo da série principal, aqui vai um breve resumo do que eu achei de cada um:

-Amy: gostei bastante dela, de longe foi a jogabilidade que achei a mais polida da três, tudo funciona perfeitamente com ela, a Amy pode usar as cartas tarô para atacar e ajudar ela nos pulos, o clássico martelo Piko Piko volta também mas ele não está tão presente no moveset dela.

-Knuckles: jogar com o Knuckles foi a minha maior decepção, não achei ele uma merda mas podia ter sido bem melhor, planar com ele é desconfortável e escalar paredes é o maior pesadelo do universo, quando ele solta de uma parede fudeu boa sorte tentando controlar ele ! Faltou polimento, ainda prefiro um trilhão de vezes a jogabilidade no Adventure 1 e 2.

-Tails: eu também gostei muito dele, ele é meio que uma mistura do Adventure 1,2 e 2006, ele voa mas pode usar as ferramentas para atacar inimigos e pode usar o Cyclone do Adventure 2 pra voar e isso é muito foda, só não é perfeito porque ele não pode fazer Homing Attack (e isso faz uma diferença gigante).

A história do Final Horizon é um Reboot da Ouranos Island, no jogo base a Ouranos Island também é a ilha final mas aqui ela sofre diversas mudanças: os novos personagens jogáveis, um monte de sessões de plataforma são adicionadas, os Puzzles são mais difíceis, novos tipos de Koco aparecem, os Guardiões estão muito mais difíceis e novas fases do Cyberspace. O tamanho do mapa da Ouranos Island ficou BEM melhor e maior, tão grande que não ironicamente é mais longo que o Sonic Forces inteiro kkkkkkk.

A maioria das sessões de plataforma foram feitas para os novos personagens e são mais difíceis em relação ao jogo base mas ainda assim são muito boas porque exploram as habilidades de cada personagem.

Os Guardiões (ou Mini Bosses) estão muito mais difíceis, eles tem muito mais HP e a maioria dos ataques são novos, eu não gostei tanto assim porque a recompensa de derrotar eles é uma Engrenagem que libera uma Fase de Cyberspace mas as Engrenagens estão espalhadas pela ilha inteira, não há razão para enfrentar os Guardiões aqui.

Uma coisa que eu não esperava era novas fases do Cyberspace, no jogo base 95% delas eram fases reaproveitadas de outros jogos mas dessa vez todas elas estão mais originais e também estão mais difíceis, além da ausência de Checkpoints os objetivos também mudaram, agora não tem mais Red Star Rings e sim as Number Rings, Silver Moon Rings e os Animais.

Para quem já jogou Sonic Lost World e Forces deve se lembrar das Number Rings que são anéis que temos que coletar em uma ordem específica do número 5 até 1.

Silver Moon Rings também estavam no Forces e elas retornam do mesmo jeito, coletar elas em um tempo limitado.

Os animais estão espalhados na fase e o Sonic deve levar elas até uma parte específica da fase.

Além disso existem fases com portais secretos e com corridas contra uma versão malvada do Tails.

Outra coisa nova são os Desafios das Torres, assim como na penúltima ilha do jogo, aqui também existem 5 torres em que o Sonic deve escalar mas agora existe um desafio depois de subir a torre inteira, os 4 desafios não são tão difíceis assim mas o último é o mais icônico entre os jogadores por ser difícil demais até na dificuldade fácil, esse desafio é nada mais do que uma Boss Rush entre os três titãs mas dessa vez todos os seus atributos estão resetados no nível 1, você deve fazer o Parry Perfeito e os anéis são bem limitados, falando assim não parece nada demais mas é a maior frustração para muitas pessoas, eu pessoalmente achei difícil mas não tão frustante assim como muitas pessoas estão achando.

O final foi drasticamente alterado e ficou muito melhor, agora o Sonic tem uma nova transformação chamada Super Sonic 2 e o Final Boss ficou bem melhor também mas não vou falar aqui por motivos de Spoilers.

E por fim a trilha sonora é simplesmente PERFEITA, não esperava que as músicas novas fossem tão boas assim, agora temos mais músicas cantadas também e isso ficou incrível.

The Final Horizon é um divisor de opiniões, eu dou um 9,5 porque eu esperava mais do Knuckles mas o resto é incrível, Sonic Frontiers ainda é o meu jogo favorito da série de todos os tempos e com as atualizações o jogo só ficou melhor ainda.